quarta-feira, 18 de abril de 2018

III Semana da Educação Financeira UNIFESP/EPPEN 2018






Para maiores informações, clique aqui


Plano de saúde poderá ter uma franquia com o mesmo valor da mensalidade




A partir do segundo semestre, as operadoras de planos de saúde poderão cobrar dos clientes uma franquia, de valor equivalente ao da mensalidade, semelhante ao que acontece hoje com o seguro de carros. 


As mudanças estão em nova norma da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) que deve ser publicada até junho. Entidades de defesa do consumidor afirmam que as mudanças podem prejudicar os consumidores.


A ideia é regulamentar, nos contratos de convênios médicos, a adoção de franquia e coparticipação (quando o cliente arca com uma parte dos custos do procedimento toda vez que usa o plano de saúde). 


Ambas as modalidades já estavam previstas em resolução do setor de 1998, mas não tinham normas bem definidas. A coparticipação já vem sendo praticada, mas os atuais critérios de cobrança dependem de negociação entre a operadora e o cliente. A franquia, por falta de regras específicas, ainda não é adotada na prática. 


Mensalidade é limite máximo 


A partir da publicação da nova norma, que está em fase final de análise pelo departamento jurídico da ANS, as operadoras poderão vender planos com franquia e com coparticipação. A parte a ser paga pelo cliente no ano todo referente a franquia e coparticipação não poderá superar o valor que ele pagou por 12 meses de mensalidade do plano.



Governo Trump resiste à entrada de Brasil na OCDE

Telegrama confidencial revela que representante da Casa Branca indicou que faltaria no Brasil 'consenso claro sobre as reformas', especialmente por meio de 'respaldo eleitoral'



O governo de Donald Trump já deixou claro ao Palácio do Planalto que deu preferência para a adesão da Argentina à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), alegando que existia um “respaldo eleitoral” em Buenos Aires pelas reformas que Maurício Macri estaria realizando e que essa ainda não seria a realidade do Brasil. O recado foi dado ao governo brasileiro no final de março, durante encontros de representantes da Casa Civil com Landon Loomis, assessor especial para o hemisfério ocidental e economia global do vice-presidente americano, Mike Pence.


Nos últimos seis meses, o governo brasileiro proliferou encontros com a cúpula da OCDE para encontrar formas de fazer avançar seu processo de entrada no organismo internacional e considerado como “o clube dos países desenvolvidos”. 


Mas, ainda que a secretaria da entidade seja favorável à chegada do Brasil, o voto americano tem impedido que o processo ganhe força. Em janeiro, em Davos, Temer aproveitou suas reuniões bilaterais para tratar do caso com o secretário-geral da OCDE, Angel Gurria. O diplomata, porém, sugeriu que o governo brasileiro se aproximasse de membros da administração americana para os convencer dos pontos positivos da adesão do Brasil. 


Nos meses que se seguiram, foi exatamente isso que o Brasil fez. Entre os dias 26 e 27 de março, o representante da Casa Civil, Marcelo Guaranys, esteve em Washington para alguns desses encontros, cujo teor foi colocado em um telegrama da chancelaria no dia 3 de abril.


Leia mais aqui . 

sexta-feira, 13 de abril de 2018

III SEMANA DE COMPREENSÃO DA REALIDADE BRASILEIRA " Democracia : conquistas, reformas e contrarreformas ".




Pelo terceiro ano consecutivo a EPPEN tem o prazer de apresentar a III SEMANA DE COMPREENSÃO DA REALIDADE BRASILEIRA " Democracia : conquistas, reformas e contrarreformas ". 


Pautada sempre pela atualidade das questões nacionais, a área de Compreensão da Realidade Brasileira do departamento multidisciplinar, promove seu encontro anual com seminários e debates sobre o tema da democracia, direitos do trabalho, direitos sociais e humanos.


Debates com convidados de universidades diversas, lançamento do livro "Compreensão da Realidade Brasileira" organizado por Marcello Branco e o lançamento do curta-metragem 
" Todo Direito é Humano" de Claudia Moraes de Souza serão atrações da semana.


Convidamos toda a comunidade EPPEN e da cidade de Osasco.


Confira a Programação aqui


Inscrições Abertas.


Prof.ª Dr.ª Heloisa Hollnagel concede entrevista sobre os desafios na gestão de recursos hídricos em consequência de seus enormes impactos sociais

                                          Prof.ª Dr.ª Heloisa Candia Hollnagel


A Coordenadora do Mestrado Profissional em Gestão de Políticas e Organizações Públicas - MPGPOP, Prof.ª Dr.ª Heloisa Candia Hollnagel, concedeu uma entrevista para a Revista da UNISINOS sobre os desafios na gestão de recursos hídricos em consequência de seus enormes impactos sociais. O tema foi pauta do 8º Fórum Mundial da Água, realizado em março de 2018 e faz parte de suas pesquisas.


quarta-feira, 4 de abril de 2018

Lançada plataforma “Minha Biblioteca” com mais de 7.000 livros eletrônicos nacionais

A Coordenadoria da Rede de Bibliotecas da UNIFESP (CRBU) informa sobre o lançamento do serviço de acesso à Plataforma “Minha Biblioteca”. 


São mais de 7.000 livros eletrônicos, em português, nas mais diversas áreas do conhecimento, tendo como principais editoras: Saraiva, Atlas, Manole, ArtMed, Grupo GEN, Bookman, Zahar, Érica, Forense, Guanabara Koogan, Cengage Learning, AMGH, LTC, Autêntica, Método, Penso, Roca, Santos, Artes Médicas, Amarilys, Minha Editora. 


Acesso disponível no site: www.biblioteca.unifesp.br
Opção: "Minha Biblioteca", utilizando o mesmo usuário e senha do Meu Pergamum. 


Maiores informações diretamente na Biblioteca do seu campus. 






Professor da UNIFESP lança o livro "Temas Contemporâneos de Meio Ambiente"


O professor Dr. Dan Rodrigues Levy, do Departamento de Ciências Atuariais, da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios da Unifesp/EPPEN, campus Osasco, lançará, no próximo dia 11.04.2018, na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Subseção de Santos-SP, a obra coletiva intitulada "Temas Contemporâneos de Meio Ambiente".




O livro, coordenado juntamente com a professora Dra. Carla Liguori, da Universidade Católica de Santos (Unisantos), foi elaborado por renomados autores, com conteúdo imprescindível às discussões socioambientais da atualidade.


Fruto do anseio dos coordenadores em contribuir com pesquisas científicas de qualidade aos problemas que afetam a sociedade, a coletânea apresenta pontos sensíveis à modernização do Direito Ambiental Brasileiro, com temas diversificados e questões que ultrapassam a simples aplicação legal, trazendo à tona a necessária aplicação ética e hermenêutica às hipóteses contemporâneas de prevenção e precaução do meio ambiente e ainda contribuindo à reflexão do modelo de progresso econômico e da educação ambiental praticados.


Na ocasião do lançamento, haverá mesa redonda com debate dos autores(as).

quinta-feira, 29 de março de 2018

Especialistas alertam: restrição de recursos para ciência e tecnologia atrasa o país


A restrição de recursos para educação, ciência e tecnologia está levando o país à decadência, na avaliação de especialistas que participaram de audiência pública da Comissão Senado do Futuro, nesta segunda-feira (26). Para eles, um país sem ciência e tecnologia é um país que deu errado. O debate integrou o ciclo "2022: o Brasil que queremos".


O professor da Universidade de São Paulo (USP) Sergio Mascarenhas criticou o corte de verbas para educação, ciência e tecnologia. "Chegamos a mandar 3 mil estudantes somente para a China. E fechamos o Ciência Sem Fronteiras apenas porque tinha alguns defeitos. Fechamos o programa por inteiro", disse. Mascarenhas afirmou que "povos sem ciência e tecnologia estão condenados a serem simples fornecedores de matérias-primas e de mão de obra barata para os países desenvolvidos ".


Já o professor Ildeu da Castro Moreira, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), lembrou que o Brasil em 2016 chegou a formar 20 mil doutores e 58 mil mestres. "Entretanto, estamos vivendo momentos difíceis com a contenção de recursos para os institutos e centros de pesquisas que foram criados desde 2002. Para uma comparação, a China está expandindo seus centros de difusão de ciência, como planetários e museus, enquanto o Brasil está fechando", lamentou.


Moreira disse ainda que congelamento por 20 anos dos gastos na área da Ciência e Tecnologia, com a aprovação da Emenda Constitucional 95, é um desastre para o país. E voltou a comparar a situação brasileira com a chinesa: "A China criou um superministério da Ciência e da Tecnologia e nós fundimos o nosso com o ministério das Comunicações", ressaltou.


O diretor do Museu da Amazônia (Musa), Enio Candotti, apontou para a necessidade específica de estudos científicos sobre a fauna e flora da Amazônia, pois lá se encontram formas de vida que possuem potenciais para a Medicina. "Se perdermos a batalha da Amazônia, perderemos nosso futuro", advertiu.


O presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Mário Borges Neto, sustentou que, apesar dos cortes determinados pelo Ministério da Fazenda, os programas estão andando. Ele defendeu o não contingenciamento das verbas do Programa Nacional de Desenvolvimento de Ciência e Tecnologia, que são seguidamente retidos pela área econômica. Também defendeu que as dotações do Tesouro para a área, as chamadas "fontes 100", não possam ser retidas pelo governo.


O presidente da Comissão Senado do Futuro, senador Hélio José (Pros-DF), lembrou que diversos cientistas brasileiros estão saindo do país por conta dos cortes de verbas para as pesquisas. Ele disse que há uma grande pressão dos banqueiros para que as verbas do Orçamento sejam direcionadas ao mercado financeiro.


Para Hélio José, é necessário trabalhar fortemente na Comissão Mista de Orçamento para que o dinheiro público seja corretamente destinado à ciência e à tecnologia.


segunda-feira, 26 de março de 2018

quarta-feira, 21 de março de 2018

Como funciona: Empréstimo entre Bibliotecas


Que pode pedir empréstimo de livros de outras Bibliotecas da Unifesp?


Para isso, basta pesquisarem o catálogo das Bibliotecas no site: biblioteca.unifesp.br . Caso o livro não exista na Biblioteca de Osasco, verifique de qual unidade o livro é, e, em seguida, preencha o formulário que está nesse link aqui . 


Depois, é só aguardar a chegada do(s) livro(s) aqui em Osasco, que comunicaremos a chegada deles para virem retirar.


A possibilidade de virem retirar no balcão da Biblioteca são para os os livros da Unifesp. Livros que por ventura quiserem da USP, precisarão retirar no própria USP, munidos de uma autorização assinada por nós e de um documento pessoal.




terça-feira, 20 de março de 2018

Sua empresa está preparada para o GDPR?

Nova regra entrará em vigor a partir de maio e promete balançar não só o mercado internacional, mas também o brasileiro




O GDPR - General Data Protection Regulation (Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia) - foi desenvolvido pelo parlamento europeu e tem como objetivo garantir a segurança dos dados pessoais dos cidadãos contra vazamentos e roubos virtuais. A nova regra entrará em vigor a partir de maio e promete balançar não só o mercado internacional, mas também o brasileiro.


Ao contrário do que muitos acreditam, o GDPR não está restrito às empresas europeias, mas afetará qualquer companhia que por algum motivo tenha que processar dados de residentes europeus, independentemente da localização. Qual empresa que opera hoje em escala internacional não possui algum tipo de negócio com residentes ou empresas da União Européia? Portanto, a partir de agora, as organizações que mantêm negócios com qualquer cidadão europeu terão de focar ainda mais na proteção de dados dos clientes.


Em caso de vazamento de dados, a empresa terá apenas 72 horas para fazer o comunicado oficial e apresentar um plano de resposta ao incidente. As sanções são bem pesadas, podendo chegar a 4% do faturamento total da companhia ou 20 milhões de euros.


Leia mais aqui . 

Estudante da EPPEN recebe bolsa do 60th Annual Conference Western Social Science Association


O trabalho de conclusão de curso do estudante Guilherme de Oliveira Scaglione foi agraciado com uma bolsa (grant) para participar da 60º Conferência promovida pela Westem Social Science Association. O artigo intitulado: Path Dependence in Fiscal Policy: The Cases of Argentina, Brazil and Chile.

Parabéns Guilherme!


FONTE: https://www.unifesp.br/campus/osa2/noticias-eppen/820-estudante-da-eppen-recebe-bolsa-1

segunda-feira, 19 de março de 2018

Blogs como forma de comunicação científica na era das redes sociais




Por Lilian Nassi-Calò

Nos anos 2.000 foram lançados milhares de blogs com alguma referência à ciência. Destes, cerca de 2.500 podiam ser considerados verdadeiramente científicos, muitos deles mantidos por instituições acadêmicas e periódicos renomados, porém também inúmeros deles escritos por estudantes de pós-graduação, pós-doutores, professores universitários, professores de ciências e jornalistas profissionais, segundo um estudo publicado em 2007 no periódico Cell1.


Web logs ou blogs certamente perderam momento desde a década passada, em função da plataforma de microblog Twitter e outras mídias sociais, que requerem menos tempo, esforço e dedicação para disseminar ideias ou opiniões. No entanto, o esforço e a dedicação são diretamente proporcionais ao resultado atingido por 280 caracteres (140 até recentemente) e um texto de, digamos, 800 palavras e talvez algumas imagens ou gráficos.


A despeito da presença ubíqua das mídias sociais em praticamente todas as áreas de atividade da sociedade, a prática de escrever blogs permanece viva e bastante ativa, especialmente na disseminação da ciência, segundo artigo publicado recentemente na Nature2. São inúmeros os motivos pelos quais pesquisadores e estudiosos se empenham em fazê-lo. Paige Jarreau enumera nada menos que 59 razões, divididas em nove categorias, que vão desde o prazer pessoal de escrever sobre algo que se tem interesse até tornar a ciência acessível a várias audiências, corrigir conceitos disseminados erroneamente e inspirar jovens a se interessar por carreiras científicas.